Seguidores

05 julho 2020

Avós e netos: como fortalecer essa relação repleta de valores


Os avós são um pilar muito importante nas famílias de hoje em dia.   Além de oferecerem uma ajuda muito importante para os pais,   o vínculo criado entre avós e netos é rico, benéfico e fornece valores essenciais às crianças.
O ritmo de vida que muitos pais são obrigados a ter por causa de suas obrigações no trabalho faz com que  os avós participem muito ativamente da educação das crianças.  muitas vezes são eles que cuidam delas, as pegam na escola ou preparam sua comida .
Esta faceta tem um duplo significado.   Por um lado, os avós devem assumir tarefas e responsabilidades, apesar de sua idade, com os possíveis inconvenientes que isso pode acarretar.  Por outro lado , assumem seu papel com entusiasmo, já que para eles é uma nova oportunidade, e também sentem-se útil com a sua ajuda.
Por isso,  é importante nunca abusar desta situação e estar consciente, em todos os momentos, das condições emocionais e físicas dos idosos. P or exemplo, já que enquanto os pais trabalham é normal que os avós façam o papel de cuidadores das crianças, durante o fim de semana deveriam descansar dessa tarefa (o que não exclui a possibilidade de ver os netos, mas não no papel de cuidadores).

Fortalecer o vínculo entre avós e netos

Oferecemos algumas orientações básicas a seguir, que não apenas servem para fortalecer o vínculo afetivo entre avós e netos, mas também servem para fortalecê-los entre os avós e os pais.
Visitar os avós com frequência.   Se moram perto de casa, que sejam visitados com uma certa regularidade.   Se vivem longe, não é uma má ideia planejar a visita com antecedência e fazer com que as crianças a participem desse planejamento, porque assim vão ver esse momento como especial.
Mantenha contato.   Hoje em dia, com toda a tecnologia que temos à nossa disposição (como Skype, correio eletrônico e outras tecnologias) é fácil fazê-lo.  Mesmo que os avós não possuam ou saibam usar o computador, você sempre pode encontrar alguma maneira de enviar fotos ou vídeos mostrando as crianças em ação.
Falar dos avós para as crianças   .  Os pais podem mostrar fotografias ou contar histórias sobre quando eram mais jovens, e isso ajuda as crianças a sentirem os avós como sendo seus.
Compartilhar hobbies e passatempo.  Muitos idosos adquirem uma grande riqueza de conhecimento ao longo dos anos.   Ensinar as crianças a valorizar esse conhecimento e incentivá-los a aprender possui um grande valor, tanto educativo quanto afetivo.
Agradecer os avós pela ajuda   .   Lembre-se sempre que os avós não são os principais responsáveis por cuidar das crianças, e por isso é bom que sintam que estamos gratos (verbalmente ou até mesmo com algum detalhe de atenção).
Facilitar-lhes o trabalho.   Por exemplo, se costumam cuidar das refeições dos netos, é muito melhor se os pais já deixem a comida preparada previamente, para que eles não precisem gastar muito tempo na cozinha.   Quanto mais coordenadas estejam as tarefas, melhor.   Isso também inclui deixar disponível os números de telefones que possam necessitar no caso de uma emergência.
Evitar que os avós mimem em demasia as crianças.  Os avós em geral também possuem regrinhas que as crianças devem aprender a respeitar sobre: comidas, horários, higiene... No entanto, os pais devemos ter em mente que é nossa a responsabilidade de educar.

Prevenção: A segurança vem sempre primeiro

Quando as crianças ainda são muito pequenas, os pais precisam tomar algumas medidas de segurança em casa, como colocar protetores de tomada, retirar do alcance os objetos e produtos perigosos, os objetos que quebrem com facilidade, guardar bem os medicamentos, etc.   No entanto,  é provável que na casa dos avós essas medidas ainda não tenham sido tomadas , simplesmente por falta de hábito. Então, quando as crianças vão passar um período de tempo na casa dos avós,  é aconselhável verificar se as medidas de segurança foram adotadas , ou pelo menos alertar os avós sobre esses cuidados preventivos enquanto tomam conta das crianças.

Referências:


Dowshen, S. Crear vínculos afectivos con los abuelos. Kids Health. 2013

Niños que se quedan con los abuelos. C. P. Endocrinologia i nutrició, S. L. 2014


Nenhum comentário:

Postar um comentário